Fanático por expedições exploratórias, após estabelecer “uma das maiores vias de escalada das Américas”, graduada como de máxima periculosidade, foi citado no consagrado “The American Alpine Journal: The World´s Most Significant Climbs”, principal título do montanhismo mundial, publicação que reúne as escaladas mais emblemáticas do planeta desde 1929.

Pioneiro no Brasil no fotojornalismo de Aventura, Natureza e Cultura Regional, desde 1995 já produziu, colaborou ou foi citado em mais de 900 trabalhos que foram divulgados em cerca de 350 mídias. Se destaca como um dos principais jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos latino-americanos de montanhismo, com produções em algumas das regiões mais lindas e selvagens do planeta. Considerado “o único documentarista capaz de acompanhar os líderes das mais duras Corridas de Aventura” - pedalando, remando ou correndo centenas de quilômetros junto dos melhores atletas do planeta e encerrando tais provas ao lado dos vencedores – recebeu menção de destaque em Rede Mundial no célebre documentário Desafio de los Volcanes, pelo seu desempenho como Cinegrafista-atleta para a AXN    Europa   na    severa   Cordilheira    dos   Andes.   Conquistou   prestígio  nacional   com  expedições

pioneiras,  como  a  abertura  da  maior  via  de  escalada  do  Brasil, a  maior  do  NE, a 1ª do Pico dos

Marins   e  o   canionismo  exploratório  das  poderosas  formações  do rio dos Veados, além de realizar

aventuras  extremas  como  a sua  veloz escalada em solitário, sem cordas e sob condições invernais

do temido  Capitol  Peak, “uma  das  maiores  e  mais  perigosas montanhas dos EUA”. Dentre suas

conquistas    socioambientais,   com    ineditismo    no    montanhismo   nacional    colaborou    com    o

tombamento do Conjunto Paisagístico da Pedra Riscada, após realizar Inventário do Ecossistema

local, assessoria técnica, palestras, dezenas de artigos, etc. Nos anos 90 trabalhou para algumas

das primeiras agências de Turismo Ecológico do Brasil, ajudando a consolidar destinos até

então debutantes no circuito turístico nacional - como Bonito (MS), atualmente o “melhor

polo  de  Ecoturismo  do  Brasil”.  Historiador  autodidata  e  bacharel em Publicidade, é

coautor de publicações pioneiras, como a primeira coleção de livros ecológicos com

padrão internacional do país, iniciativa editorial inédita que está reescrevendo a forma

de  fazer  guias  turísticos  no  Brasil  (responsável  pelos  mais  completos  e  precisos

inventários da oferta e das potencialidades de Aventura e Ecoturismo de Ilhabela e da Ilha

Grande)  e  a  série  Guia  do  Aventureiro  Consciente  (Ética  e  Mínimo  Impacto)  que

serviram de inspiração para o “Manual de Boas Práticas - Aventura Segura”, principal

material  didático  sobre atividades ao Ar Livre do país, produzido pelo Ministério

do Turismo e pela Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo

de  Aventura.  Dentre  mais  de  50  profissionais  foi o fotógrafo com o maior

número  de  fotos  publicadas  no  célebre  livro A Cultura da Aventura na

Natureza, principal obra literária sobre o tema.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PRINCIPAIS AVENTURAS:
2000 1ª descida do encachoeirado Rio dos Veados, canionismo exploratório em um dos trechos mais inóspitos da Serra da Bocaina, com logística e técnicas inéditas para a sua época – com ancoragens móveis e/ou naturais, expedição brasileira com a maior duração e desnível acumulado, etc. (10 dias, sensação térmica de até -20ºC, centenas de metros de trabalhos de corda com apenas duas proteções fixas, perigosos rapéis de até 152 m);

2001 - em solitário, 1ª descida do Ribeirão do Passa Quatro a partir da nascente do Pico dos Marins, uma das mais altas do Brasil - expedição minimalista que na época resultou na exploração do cânion mais alto já percorrido no país (2.200 m.s.n.m., > 40 km à pé, sendo 2 km pelo acidentado cânion, com rapéis usando apenas ancoragens naturais);

2002 - abertura de “uma das maiores vias de escalada das Américas”, a maior e uma das mais perigogas do Brasil, que apesar de uma fracassada tentativa estrangeira jamais foi repetida ("Vai, mas não cai não!", Pedra Riscada, 1.260 m, 8 dias, E5 - graduação máxima de periculosidade, 9 enfiadas de 60 m desprotegidas, média entre as proteções > 25 m, primeiro patrocínio desportivo da Natura);

2002 - abertura da “maior via de escalada do Nordeste” na época ("Ilusão do Sertão", Pedra do Cachorro, 440 m, 8 dias na Caatinga, com sensação térmica de até 60ºC);

2003 - abertura da 1ª escalada tradicional do Pico dos Marins, na sua imponente Face Leste ("Ermitões", 2.421 m.s.n.m., 10 dias, até -10ºC na Serra da Mantiqueira). Um mês depois repetiu a via em solitário em apenas 14½ hs;

2003 - Cinegrafista-atleta de árduas competições como o Desafio de los Volcanes (400 km em 5 dias, travessia dos Andes, Patagônia), pedalando, remando e correndo junto aos atletas;

2004 - Cinegrafista-atleta em célebres Corridas de Montanha como a veloz X-Adventure Raid Series, exigente travessia multiesportiva entre a França e a Itália pelo acidentado e íngreme Maciço do Mont Blanc (66,8 km);

2004 e 2005 - fez história como Cinegrafista-atleta no épico Desafio de los Volcanes, uma das mais extremas Corridas de Aventura já realizadas, mega competição que cruzava até 600 km dos Andes. Inacreditavelmente correu vários dias junto às velozes equipes que se mantiveram em primeiro lugar, documentando inloco os mais fortes atletas do mundo nos mais hostis terrenos da Patagônia. Em duas das maiores produções de Aventura da história, realizou cinegrafia sobre tais provas para um docu-reality da AXN Europa (Sony Entertainment Television), com menção especial ao seu desempenho como documentarista (14 programas em Rede Mundial);

2005 - abertura de vias de Escalada na Paraíba, na Mantiqueira (em solitário, 5 rotas no Pico dos Marins), em Pernambuco (1ª via da Pedra da Bicuda), etc;

2006 - expedição Cordilheira Real, Bolívia (Pequeno Alpamayo – 5.370 m, Tarija – 5.240 m, etc.);

2007 - cobertura de competições como a Ultramaratona de Montanha Gore-tex Transrockies Run (5 dias, travessia das Montanhas Rochosas, EUA);

2007 - veloz escalada em solitário, sem cordas e sob condições invernais do temido Capitol Peak, “um dos mais difíceis e perigosos Fourteeners”, as maiores montanhas dos EUA, baixando o tempo de aproximação-escalada-retorno de 2-3 dias para menos de 12 horas – 30 km ida e volta e 3,8 km de desnível acumulado (enfrentando fendas com gelo sem luvas, desmoronamento de pedras, etc.);

2008 e 2009 - abertura da 1ª via de Escalada do Pico sem Nome (11 dias acima dos 2.000 m.s.n.m., inacabada devido a fortes chuvas e tempestade de raios - decretado “estado de calamidade” na região);

2011 - início do planejamento e treinamentos para a maior aventura da sua vida, mega expedição minimalista e de longa duração com início previsto para 2017.

Siga-nos
Usamos e Recomendamos

* Riscos e dificuldades fazem parte do cotidiano da PHOTOVERDE®.

Seja consciente, respeite a Lei do Direito Autoral, não use textos, fotos e vídeos sem autorização!

  • youTube
  • Facebook Social Icon

Durante exploração de cavernas não catalogadas no leste do Paraná - Arquivo Photoverde.